logo_bottom2.png

Rua Prof. Ernest Marcus, 91 - Pacaembu - (11) 3675-7689 - Brasil - clin-a@clin-a.com.br

  • Grey Facebook Icon

Todos os Direitos Reservados - © 2018

Desenvolvido por Bruno Senna

Questões contemporâneas na clínica, na cultura e nas artes

November 28, 2019

 

Coordenadora: Fabiola Ramon

Quinzenal, sextas-feiras, das 16 às 17h30

Local: Clin-a RP

Informações:clinaribeiraopreto@gmail.com;

(16) 992532966

 

O Núcleo “Questões contemporâneas na clínica, na cultura e nas artes” dedica-se a estudar temas, fenômenos, sintomas e questões que se apresentam no caso a caso da clínica e no social, e que colocam desafios de leitura para a prática do psicanalista, seja na clínica ou em qualquer outro dispositivo ou discurso.

 

Para estar no mundo, a psicanálise precisa se interessar pela política do sintoma. Para tanto, buscamos ler os sintomas, os arranjos, as invenções e organizações culturais, sociais e políticas, as manifestações e as produções artísticas, efeitos da presença de corpos que gozam e fazem laço numa civilização orientada pelo discurso da ciência e do capitalismo, onde os laços não são mais sedimentados prioritariamente pela ordem simbólica.

 

Em consonância com o XXIII Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, cujo tema será “O feminino infamiliar: dizer o indizível”, neste ano investigaremos sobre o que J-A Miller e Éric Laurent no seminário “O outro que não existe e seus comitês de ética” denominam “feminização do mundo” e sobre os efeitos, consequências e reações frente a isso. Buscaremos problematizar essas questões a partir da clínica e da civilização.

Nos últimos anos o núcleo investigou sobre a queda do falocentrismo articulado ao esvaziamento do simbólico e da tradição na civilização.

Temos experimentado um novo ordenamento dos laços sociais e da constituição da subjetividade, que prescinde da instância reguladora do pai, e que decorre do declínio do viril, algo mais próximo a uma “ordem feminina”, não orientada inteiramente pelo falo.

O que vemos são formas plurais de experimentar um gozo que não é civilizado pelo gozo fálico, e que Lacan define como gozo não-todo fálico. Frente a isso, assistimos também a diversas reações e respostas, muitas delas autoritárias e superegóicas, frente ao desbussolamento engendrado pela feminização do mundo.

Partiremos dessas questões para avançar nas nossas pesquisas.

Bibliografia básica:

BROUSSE, M.-H. Mulheres e discursos. Col. Opção Lacaniana, 15. Rio de Janeiro: Contracapa, 2019.

LACAN, J. O Seminário, livro 20: mais, ainda (1972-1973). Rio de Janeiro: Zahar, 1985, p.15.

LEGUIL, Clotilde. O ser e o gênero. Belo Horizonte: EBP, 2016.

MILLER, J.-A. El Outro que no existe y sus comités de ética. Buenos Aires: Paidós, 2005. Caps. IV e V.

SANTIAGO, Ana Lydia. “Desordem no real e feminização do mundo”. Opção Lacaniana. Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, n. 63, Junho 2012, p.7-9.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque
Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square