logo_bottom2.png

Rua Prof. Ernest Marcus, 91 - Pacaembu - (11) 3675-7689 - Brasil - clin-a@clin-a.com.br

  • Grey Facebook Icon

Todos os Direitos Reservados - © 2018

Desenvolvido por Bruno Senna

  • clinaclinica

Núcleo “Questões contemporâneas na clínica, na civilização e nas artes” - Ribeirão Preto


Coordenadora: Fabiola Ramon

Mensal, sextas-feiras, das 15 às 17h30

Local: Clin-a. Informações: fabiramon@hotmail.com

O núcleo “Questões contemporâneas na clínica, na civilização e nas artes” se interessa pelos tempos atuais, o que chamamos de contemporâneo, buscando articular os fenômenos que se apresentam no social e o caso a caso da clínica. Nos interessam os arranjos, as invenções e organizações culturais e políticas, as manifestações e as produções artísticas, todos eles efeitos da presença de corpos que gozam e fazem laço numa civilização orientada pelo discurso da ciência e do capitalismo, onde os laços não são mais sedimentados pela ordem simbólica e o objeto (de gozo, de consumo) é que está na cena. Se em Freud, no ponto mesmo onde havia a vacilação do simbólico, entre um significante e outro, abria-se a possibilidade das formações do inconsciente, no contemporâneo o que encontramos, diferentemente, é menos a proliferação das “formações do inconsciente”, ou seja, do sintoma a ser decifrado, dos sonhos, dos chistes e atos falhos que se dão à decifração. O que vemos na clínica hoje se articula ao que vemos no laço social: menos lugar para a fala e mais sintomas “mudos”, que se apresentam muito mais como silêncio do que algo a ser decifrado. No entanto, esse silêncio não é marca de ausência, mas sim de uma presença, ou seja, esse silêncio se arranja, pulsa e se mostra nos novos sintomas, que tomam uma nova face claramente identificada na drogradição, na anorexia, nas compulsões, adições em geral etc... Enfim, nas questões que passam mais pelo corpo do que pelo ser e que se mostram tanto na clínica quanto na cultura e no campo das artes.

O trabalho de pesquisa do núcleo se edifica a partir do discurso psicanalítico, mas tecemos e costuramos nossa construção de conhecimento fazendo a todo momento uma “conversa”, uma articulação com outros campos discursivos como a filosofia, ciências sociais, história, artes, antropologia etc...

No ano de 2017 pesquisamos sobre violência e abuso sexual, questões de gênero e articulações entre psicanálise e política. Para o ano de 2018 as questões de trabalho ainda não estão definidas, serão discutidas na próxima reunião que acontecerá ainda neste mês. Convidamos os interessados a se juntarem a nós na investigação de temas tão atuais.


0 visualização